Suposto ataque em Cabinda: Agência Reuters mentiu

Angola
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Uma notícia veiculada pela agência britânica de notícia Reuters, dá conta que um grupo de cinco homens armados, alegadamente militantes da FLEC/FAC, invadiram em Maio uma plataforma de gás da Chevron, ameaçando os trabalhadores estrangeiros

da companhia. O episódio terá acontecido supostamente há cerca de duas semanas.

Supostas fontes ouvidas pelo correspondente da Reuters em Angola, Herculano Coroado, afirmaram que o  grupo de homens, transportados por um barco a motor, entrou na plataforma de gás, onde, identificando-se como membros da Frente de Libertação de Cabinda (FLEC), terá exigido aos trabalhadores estrangeiros que abandonassem Cabinda.

“Estiveram aqui durante uma hora. Depois, voltaram para o barco e desapareceram”, relata uma das testemunhas.

Desde o incidente, a mesma fonte garante que a marinha nacional reforçou a segurança ao longo das várias plataformas de gás no offshore de Cabinda.Contactada pela Reuters, a governadora provincial Aldina Catembo disse que a Frente de Libertação de Cabinda (FLEC) “não existe”, enquanto a Chevron recusou-se a comentar.

A operação também foi desmentida pelo porta-voz do movimento independentista, Jean-Claude Nzita. A tensão entre o enclave e as autoridades angolanas conheceu uma nova etapa com a morte do presidente e co-fundador Nzita Tiago, no início deste mês.

A Reuters lembra que o falecimento do antigo líder pode suscitar querelas internas na FLEC, isto apesar do movimento já ter nomeado Emmanuel Nzita wa Nzita como novo presidente.

 

 

 

 

Fonte:Angonoticias

Reditado por: Stop Noticias 2016

Stopmznews