Falha no WhatsApp permite que outros leiam mensagens de grupos

Falha no WhatsApp permite que outros leiam mensagens de grupos

social media
Tools
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

A descoberto foi feita por investigadores alemães, da Ruhr University Bochum. Segundo os investigadores, esta falha permite que se possa adicionar novos elementos ao grupos sem a permissão do administrador, o que permitiria que a pessoa infiltrada

podesse ter acesso a todas as conversas do grupo.
A falha preocupa um pouco, já que o WhatsApp decidiu introduzir maior segurança em 2016, o que coloca em causa a segurança e a encriptação feita na aplicação. E já não é a primeira vez. Segundo os investigadores, a falha permite que quem aceda ao servidos do WhatsApp possa aceder aos grupos, portanto até um funcionário do próprio WhatsApp poderia aproveitar esta falha, apesar do WhatsApp ter afirmado que nem eles próprios conseguiriam aceder às mensagens.
Com esta falha, um hacker que tivesse o acesso ao servidor, até poderia atrasar o envio de notificações no grupo, quando é adicionado um novo membro, o que permitiria que um infiltrado integrado no grupo possa ter acesso e ler as mensagens, sem que o grupo se apercebesse que há uma pessoa nova no grupo.
No entanto, o WhatsApp já afirmou que não há razões para se preocuparem com este problema, reforçando que não pretende corrigir esta falha.
Porquê? Segundo o WhatsApp, a vulnerabilidade muito dificilmente poderá ser explorada, já que teria de ter o controlo do servidor, o que o WhatsApp garante ser muito difícil de conseguir, pois assim que entrasse num grupo, rapidamente seria identificado pelos restantes membros do grupo. Além disso, para corrigir a “falha”, a empresa tinha retirar o recurso para adicionar novos membros através do URL.

 


Fonte:da Redação e Por Maistecnologia
Reditado para:Noticias do Stop 2018