Michael Jordan rompe silêncio político e critica aumento da violência nos EUA

Basquetebol
Typography

Em pauta levantada por outros astros da NBA, maior jogador da história do basquete coloca sua opinião sobre racismo no paísO melhor jogador de basquete da história, Michael Jordan, rompeu nesta segunda-feira o silêncio que o acompanhou durante sua

vitoriosa carreira em assuntos sociais e políticos para criticar o espiral de violência em que está mergulhado seu país após as mortes de cidadãos negros e policiais.

"Devemos encontrar soluções para garantir que as pessoas de cor recebam um tratamento justo e que os policiais - que põem suas vidas em risco todos os dias para nos proteger - sejam apoiados e respeitados", disse Jordan, seis vezes campeão da NBA atuando pelo Chicago Bulls, em comunicado.

"Como um americano, um pai que perdeu o pai em um ato de violência sem sentido, e um homem negro, estou profundamente preocupado com as mortes de afro-americanos pelas mãos de policiais uniformizados e com raiva pela covardia e ódio para matar policiais", afirmou o atual proprietário dos Charlotte Hornets.

Aos 53 anos, Jordan, ao contrário de muitos outros atletas, poucas vezes assumiu uma posição em assuntos sociais e políticos. Ele intitulou seu comunicado de: "Eu não posso manter o meu silêncio".

O comunicado chega depois do assassinato de cinco policiais em Dallas (Texas) e outros três em Baton Rouge (Louisiana) que sucederam à morte de vários negros pelas mãos dos agentes de segurança. "Eu sei que este país é melhor que tudo isto", disse Jordan.

Junto ao comunicado, Jordan doou US$ 1 milhão para a Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor e outro US$ 1 milhão ao Instituto para Relações entre Comunidade e Polícia, da Associação Internacional de Chefes de Polícia.

"Embora eu esteja consciente de que essas contribuições não são suficientes para resolver o problema, espero que ajudem ambas organizações a alcançar mudanças positivos", apontou Jordan.

Dias atrás, LeBron James, Chris Paul, Dwyane Wade e Carmelo Anthony, algumas das estrelas em atividade na NBA, pediram soluções para alguns problemas que castigam ao país como as armas, o racismo ou a violência policial e encorajaram outros atletas a fazer o mesmo.

Enquanto isso, jogadoras de várias equipes da WNBA, a liga de basquete feminina, utilizaram durante seus treinamentos camisetas com as mensagens "Black Live Matters" (As vidas dos negros importam) e "Dallas 5", em referência aos policiais mortos no Texas.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Gazeta Press

Reditado para:Noticias Stop 2016

Fotografias:Getty Images / Reuters

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS