Vítima das calemas na Camuxiba dizem-se esquecidas

O morador informou que o bairro da Camuxiba, principalmente os sectores mais afectados pelas calemas

Angola
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Os habitantes da Camuxiba, cujas casas agora se encontram mais à beira do mar, vivem apreensivos, em virtude das calemas que se embatem contra seus lares. 

 

Segundo eles, o fenómeno acontece com mais incidência nos meses de Abril, Maio e Junho, período em que, além das famílias directamente afectadas, não são poucas as que preferem arrendar outras residências no meio do bairro.

Os últimos derrubes de residências aconteceram em Maio último, quando o infortúnio também bateu a porta do pescador Morais Cassule. “Aqui houve muitas casas caídas, por causa das calemas, até a minha casa, que estava no meio de muitas, hoje é a que fica próxima do mar”, relatou Morais, acrescentando que teve de juntar parte dos escombros para erguer uma barreira defronte à habitação para desviar a água do mar. 

O morador informou que o bairro da Camuxiba, principalmente os sectores mais afectados pelas calemas, como os casos dos H, M, N, P e Q, era visitado pelas autoridades governamentais afectas ao Distrito Urbano da Samba, prometendo reverter o quadro vigente, mas, nada se via de concreto. 

Por isso, ele e alguns vizinhos, com os quais actualmente partilha a fronteira com o mar, limitam- se a tomar medidas paliativas ao seu alcance, para evitar o eminente derrube das suas casas pelas ondas marinhas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:Angonoticias

Reditado por:Africa Stop 2016

Stopmznews