Mais de 500 alunos podem ficar sem aulas em Cacuaco

Os professores que trabalham na referida escola foram notificados a comparecerem hoje às 8h na Repartição Municipal

Angola
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

São no total 540 alunos da escola do ensino primário 4044 do Bairro da Vidrul, no município de Cacuaco em Luanda, que poderão ficar fora do sistema de ensino por orientações do director municipal da Educação, Domingos Bumba, acusado de pretender

encerrar a escola por alegadamente estar a funcionar de forma ilegal. 

Os professores que trabalham na referida escola foram notificados a comparecerem hoje às 8h na Repartição Municipal para receberem as guias de transferência para outras escolas, segundo o director da instituição escolar, Miguel da Silva. Miguel da Silva disse que a instituição está legalizada e no princípio deste ano ainda recebeu uma visita de inspectores do Gabinete Provincial da Educação (GPEL) liderada por Lourenço Neto, que deu o aval para que as aulas prosseguissem, com a possibilidade de no ano lectivo 2017 vir a albergar também o primeiro ciclo do ensino secundário. 

O gestor escolar afirmou que até ao presente a GPEL não enviou documentação alguma determinando o seu encerramento por se encontrar em situação ilegal, o que considera ser um contra-senso. Esta posição de Domingos Bumba não foi bem acolhida, pois ainda este ano o seu superior hierárquico assinou as suas credenciais e dos professores que os autoriza a trabalhar nesta instituição. Por esta razão, qualificou de má-fé a atitude de Domingos Bumba.“Por isso até ele faz questão de me humilhar nas reuniões diante de outros directores dizendo que eu e os professores somos funcionários dele”. Acrescentou que 540 crianças correm o risco de serem transferidas para escolas muito distantes da sua zona de residência por não existirem estabelecimentos de ensino público nas redondezas. “Como é que ele diz que a escola é ilegal se há efectividade e os professores são controlados a partir de folhas de salário?”, questionou, tendo acrescentado que o GPEL recebe regularmente os relatórios e são aprovados. 

Entretanto, a interrupção das aulas começa hoje e as crianças estarão entregues à sua sorte, já que os professores e o director da escola foram convocados pela Repartição Municipal onde serão informados relativamente ao seu novo rumo, tal como confirmou o professor José Mavunga. 

João Neves Agostinho, outro professor, enquadrado como funcionário do Ministério da Educação em 2004, alertou para os transtornos que esta medida causará às crianças, apontado a sua adaptação a uma nova escola e a um novo professor como factores que concorrerão para o absentismo escolar e daí o rendimento pesar negativo das 540 crianças. O presidente do Sindicato Nacional de Professores e Trabalhadores do Ensino não Universitário (SINPTENU), Avelino Calunga, disse que medida é ilegal e mesmo que escola esteja ilegal o momento não é oportuno para que seja encerrada. 

Director municipal refuta acusação 

Contactado, o director, Domingos Bumba, refutou todas as acusações feitas pelo director e professores, tendo afirmado que a Escola 4044 encontra-se oficialmente desactivada desde 1 de Janeiro de 2016, tendo sublinhado que a instituição era uma escola pública numa parceria entre a Igreja Mibana e o Ministério da Educação, cujo contrato foi firmado em 2003, mas por ter sido vandalizada em Fevereiro de 2015 pelo supracitado sindicato, a parceria foi desfeita. O chefe da inspecção do GPEL, Lourenço Neto, contacto por O PAÍS, disse não haver orientação alguma da sua instituição propostas ao encerramento de escolas em Luanda. 

Lourenço Neto reforçou que a Direcção de Educação não possui informação de instituições eventualmente funcionando de forma ilegal. Finalmente, assegurou que qualquer acção que vise o encerramento de uma escola em Luanda carece da autorização expressa do director da Educação de Luanda. Lourenço Neto prometeu fornecer mais detalhes sobre o assunto tão logo seja apurado o quadro da situação e, oportunamente, O PAÍS apresentará mais dados sobre o assunto.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:Angonoticias

Reditado por: Stop Noticias 2016

Stopmznews