Mais de 500 mil italianos deixaram país em busca de emprego

Período mais intenso da crise aumentou a imigração na Europa

Europe
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Mais de 509 mil italianos deixaram seu país-natal em busca de emprego em outras nações no mundo entre os anos de 2008 e 2015, mostrou um relatório do Observatório de Estatísticas de Consultoria no Trabalho divulgado em Roma nesta quarta-feira.


O período compreende a mais grave crise econômica enfrentada pelos italianos nas últimas décadas e mostra que os moradores foram buscar trabalho, especialmente, na Alemanha, na Grã-Bretanha e na França.
Por continentes, os outros países europeus foram mais atraentes para a grande maioria dos italianos, mais de 108 mil. Os países da América vêm na sequência, com 18,5 mil, seguido por Ásia, África e Oceania. Ainda segundo o relatório, a saída de italianos acelerou a partir de 2012, aumentando ano após ano até 2015. A região que mais perdeu moradores foi o sul da Itália, conhecido como "Mezzogiorno", e que é o local que teve os maiores reflexos da prolongada crise econômica.

Mudança interna

O local ainda apresenta uma informação diferente. Se no norte, a maior parte das pessoas deixou a região para ir para outra nação, o sul apresentou uma mudança interna. Conforme o documento, o "desemprego no Mezzogiorno produziu um aumento de 273 mil moradores no Norte e de 110 mil no Centro" da nação.
"A Itália é um país com oportunidades muito diferentes e com uma situação interna heterogênea que não tem equivalente na Europa. Por esse motivo, as mudanças de residência de uma região para outra são notáveis e frequentes", informaram ainda os especialistas que elaboraram o relatório.

 


Fonte:da Redação e Por Ansa
Reditado para:Noticias do Stop 2017
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP