25
Seg., Out.
42 New Articles

Notícias principais

Petróleo rende 542,9 mil milhões ao país

Negocio

A exportação de 32,9 milhões de barris de petróleo no mês de Setembro, ao preço médio de 68,24 de dólares, resultou na arrecadação de 542,9 mil milhões de kwanzas (aproximadamente 915,3 milhões de dólares) em impostos petrolíferos.

Expo 2020 abre portas no Dubai para "ligar mentes e criar o futuro

Negocio

Oito meses após a data inicialmente prevista, a Expo 2020 no Dubai abriu portas sob o lema “Ligar Mentes, Criar o Futuro”.A Expo 2020 no Dubai é a trigésima quinta feira mundial dos últimos 170 anos e o maior evento global desde o início da pandemia.Conta com a participação de 192 países. São esperados mais de 25 milhões de visitantes nos próximos seis meses.

Principais bolsas europeias abrem sessão em alta após queda histórica

Negocio

Os mercados europeus estão a recuperar da quinta-feira negra e abriram esta sexta-feira em alta. Ainda assim, reina o nervosismo nas principais praças face à ameaça do coronavírus. Depois de sofrer a maior queda da sua história, a bolsa de Madrid foi uma

FMI prevê para Angola sexta recessão consecutiva com queda do PIB de 0,7%

Mercados

O FMI coloca Angola como segundo país em África com pior desempenho económico neste ano de 2021, antecipando uma sexta recessão e uma quebra do PIB de -0,7%. Há 50 países no continente com previsão de taxas positivas.
As previsões do FMI para o continente africano, num total de 53 países que são estudados, colocam Angola como o segundo pior em termos de desempenho económico para este ano, -0,7% na evolução do PIB, apenas ultrapassado pela República Centro-Africana, -1%.

Governo entrega mais 100 mil milhões kz ao Banco Poupança e Crédito

Mercados

O Presidente da República determinou a entrega de mais 100 mil milhões de kwanzas (cerca de 165,8 milhões de dólares norte-americanos) ao Banco Poupança e Crédito (BPC), emitidas sem reajuste do valor nominal, com taxa de juros de cupão de 16,75% ao ano e entregues diretamente ao BPC pelo seu valor facial, sem desconto.

Zap começa a despedir para a semana

Mercados

Zap engrossa taxa de desemprego de um sector em queda livre. Elevados níveis de inactividade juntam-se a estudos e incidentes que atestam supremacia da política sobre os media no País.
Sindicato dos Jornalistas já se desdobrou em pedidos, mas Executivo continua a não dar incentivo previsto na Lei de Imprensa. A partir da próxima semana, concretamente na terça-feira, 19, a Zap começa a executar o processo de redução

Dívida à China vale 20% do PIB

Divida

A dívida de Angola à China rondava os 20% do produto interno bruto (PIB) do País no final do ano passado, e poderá sofrer um aumento de quase 70%, se forem concluídas com sucesso as negociações com vista ao reforço do financiamento chinês a

Angola, Gana e Zâmbia são os africanos com dívida mais vulnerável, diz Merryl Linch

Divida

Angola, Gana e Zâmbia estão entre os países mais vulneráveis a cenários de problemas com a dívida, que incorporam uma depreciação de 20% nas moedas nacionais, por causa dos níveis de dívida e das elevadas necessidades de financiamento externo,

Dívida pública de Angola é a terceira mais alta da SADC

Divida

A dívida pública angolana em percentagem do PIB deverá ser, em 2018, a terceira maior dos 15 países da SADC, pelo segundo ano consecutivo, depois de ter sido a segunda mais elevada em 2016, segundo dados oficiais e projecções do Regional Economic

ebilidades da conjuntura doméstica, fazem com que alguns indicadores macroeconómicos

Inflação

O Governador do Banco de Moçambique, Ernesto Gove, procedeu à apresentação, na tarde de hoje, em Maputo, do Balanço Preliminar do ano Económico 2015 e das Perspectivas para 2016.

Como esse histórico de preços verificados no primeiro trimestre de 2015,

Inflação

Para falarmos de inflação é necessário que se defina bem o conceito de tal fenômeno econômico, para que o termo não seja tratado vulgarmente. A inflação é caracterizada como um aumento

esde julho a taxa básica de juros segue em 14,25 por cento ao ano,

Inflação

Brasília - O Banco Central já não vê a inflação no centro da meta em 2017, destacando em seu Relatório de Inflação que conduzirá uma política monetária "especialmente vigilante",