29
Qua., Jun.
0 New Articles

Antigos combatentes aguardam pensões na miséria

Angola
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Ex-combatentes e Veteranos da Pátria alertam que vivem condições deploráveis. Cada um recebe uma pensão do Estado de 39 euros, e o pagamento costuma atrasar um ou mais meses.
Na província angolana do Cuanza Norte, 1.560 Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria enfrentam dificuldades por causa dos atrasos no pagamento das suas pensões. Os dinheiro dos últimos três meses do ano passado só foi entregue no

final de janeiro.
José Kakola, conhecido nos tempos da guerrilha como Peti Comandante, diz que os pensionistas estão cansados dos atrasos, e a pensão que auferem já é baixíssima.
"Isto não é digno", desaba Kakola em declarações à DW. "Segundo a gíria, 'quem liberta não governa'. Os atrasos salariais são notórios e nós, os antigos combatentes, recebemos uma miséria, 23.550 kwanzas [cerca de 39 euros no câmbio atual], e chega a demorar 45 dias para chegar".

"O Estado cuspiu em nós"
Na província de Malanje, 2.043 pensionistas do Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria exigem do Governo mais consideração.
Segundo António Fonseca, mutilado de guerra de 63 anos, os ex-combatentes foram abandonados à própria sorte. "Nós corremos perigos quando estivemos nas Forças Armadas, mas agora o Estado cuspiu em nós. O Governo olha para essas pessoas que têm uma deficiência? Um mutilado vai viver numa casa de renda?", questiona o veterano.
"Nós somos desprezados, nós não somos culpados, o culpado é o Estado".
O ex-combatente Miguel Pedro, mais conhecido por Bolongongo, vive deprimido: "Estamos esquecidos! É um situação de miséria desde 1974 no MPLA até hoj. Estou quase a fazer quarenta e tal anos nesta organização e nunca sequer tive uma bicicleta".

Dinheiro para uns e não para outros?
Se para muitos antigos combates a reivindicação são os atrasos na remuneração e salários baixos que não permitem a compra da cesta básica, para Manuel Pedro, de 70 anos, o seu maior vilão no Uíge é a excessiva burocracia para tratar dos documentos e beneficiar da pensão.
"Ainda não me atenderam por falta de não ter conta bancária. Agora, segunda-feira, é quando vou tratar da conta bancária", afirma.
O jurista Joaquim Ernesto acusa o Governo angolano de não ser honesto com muitos dos seus filhos, principalmente os Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria.
"O Estado angolano tem agido muito mal e de má-fé no tratamento dos antigos combatentes", comenta.
"Há muitas denúncias de corrupção no Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria: pessoas que não têm o estatuto de antigos combatentes vêm usufruindo de milhares de kwanzas em nome de antigos combatentes. Então, é tempo de se repor a legalidade", afirma o jurista.

 

 

 

 

 

 

Fonte:da Redação e da dw
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus
Stopmznews