07
Qua., Dez.
0 New Articles

Banco Central Europeu volta a aumentar as taxas de juro

Europe
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Pela segunda vez em menos de três meses, o Banco Central Europeu - BCE - voltou a aumentar as taxas de juro, desta vez em 75 pontos-base. Para o organismo tal serve para lutar contra a inflação.
O Banco Central Europeu - BCE - reuniu-se nesta quinta-feira, 8 de Setembro, para anunciar um aumento das taxas de juro de 0,75%, numa altura em que a inflação continua a subir e a queda do valor do euro face ao dólar tem sido

vertiginosa.

Recorde-se que em Julho, a instituição liderada pela francesa Christine Lagarde tinha decidido subir as suas taxas de juro em 50 pontos-base, com efeitos a partir de 27 de Julho. Este foi o primeiro aumento em 11 anos.

A decisão caiu nesta quinta-feira, 8 de Setembro. Com a inflação acima de 9% e o receio de novos disparos nos preços do gás natural e no petróleo, o conselho do Banco Central Europeu decidiu aumentar novamente as taxas de juro.

O BCE reviu também as suas projecções para uma inflação mais elevada situada em 8,1% em 2022; em 5,5% em 2023; e em 2,3% em 2024.

De notar ainda que há uma previsão de uma estagnação da economia nos próximos meses.

Em entrevista à RFI, Luís Campos e Cunha, Professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, mostrou-se céptico quanto a esta decisão e afirmou que o BCE reagiu tarde demais, pelo que esse aumento devia ter ocorrido há um ano.

“Um pouco exagerado, uma sobre-reacção. Evidentemente a taxa de inflação subiu bastante, mas tem sido no último ano e meio, basicamente, fenómenos que têm a ver com o lado da oferta e não com o lado da procura. Ora o BCE só comanda a procura agregada, não comanda a oferta. E, portanto, a subida do preço do petróleo, e pondo as coisas em termos simples, não se combate subindo as taxas de juro. Ou melhor, se isso se fizer, nós vamos conseguir é uma recessão. Eu sei que as previsões do BCE continuam em termos de crescimento ainda positivas, claramente positivas, para este ano e para os dois próximos anos, mas eu vejo com alguma dificuldade, se as taxas de juro continuarem a subir, que não haja uma recessão na Zona Euro provocada por estas subidas de taxas de juro”, afirmou o Professor catedrático.

Para Luís Campos e Cunha, esse aumento devia ter sido feito há um ano atrás: “Eu penso que estamos a sofrer um bocadinho as consequências do Banco Central Europeu não ter reagido aqui há ano e meia atrás. As taxas de juro estavam baixas, anormalmente baixas, historicamente baixas. O Banco Central Europeu há um ano e meio que devia ter subido as taxas. E, portanto, provavelmente muito deste efeito da subida de taxas tem a ver com erros do passado, e não tanto com a subida de preços actual, que é como digo, para o lado dos custos das empresas”, concluiu.

 

 

Fonte:da Redação e da rfi
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus