02
Dom., Out.
0 New Articles

Tribunal Constitucional chumbou recurso da UNITA

Eleicoes
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

O Tribunal Constitucional angolano negou provimento ao recurso interposto pela UNITA. Diz o TC que os elementos de prova apresentados “não permitem colocar em causa os resultados globais” das eleições anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral.

Segundo o acórdão 769, de 2022, “o Tribunal Constitucional concluiu que os elementos de prova apresentados e considerados conformes não permitem que se possa colocar em causa os resultados globais do apuramento nacional dos votos apresentados pela Comissão Nacional Eleitoral".

A instância sublinha que a lei justifica a não publicação das actas, na medida em que “não é admitida a possibilidade da sua afixação em local distinto das assembleias de voto, bem como em momento posterior à publicação dos resultados gerais e definitivos”.

O TC recusa igualmente uma auditoria externa ao processo por considerar que a CNE tem mecanismos próprios e é um “órgão de administração pública independente” do Governo e está “vinculada ao princípio da legalidade administrativa”.

De relembrar que a UNITA pedia a correcção dos mandatos atribuídos nas províncias de Cuando Cubango, Luanda, Namibe e Zaire, que teriam reflexos na contagem do círculo nacional. O TC recusou 3.405 cópias de actas por considerar que os documentos de suporte não tinham qualidade.

Por tudo isto, “o Tribunal Constitucional conclui que os elementos de prova apresentados e considerados conformes não permitem que se possa colocar em causa os resultados globais do apuramento nacional dos votos apresentados pela CNE”.

O maior partido da oposição em Angola denuncia a existência de 2,7 milhões de mortos nos cadernos eleitorais, bem como várias irregularidades no modelo de actas-síntese. Requerimento também recusado pelo TC que considera tratarem-se de questões de “natureza procedimental”, que “não comprometem substancialmente e de forma irremediável os resultados gerais das eleições”.

De acordo com a CNE, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e o seu candidato, João Lourenço, venceram o pleito com 51,17% dos votos, seguido da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) com 43,95%.

Assim sendo, o MPLA elegeu 124 deputados e a UNITA 90 deputados.

O Partido do PRS e o estreante Partido Humanista de Angola (PHA) conseguiram eleger dois deputados cada.

A CASA-CE, a Aliança Patriótica Nacional (APN) e o P-Njango não obtiveram assentos na Assembleia Nacional.

Por alegadas “irregularidades no processo”, a UNITA juntamente com o Bloco Democrático (BD) interpôs um recurso contencioso eleitoral junto do Tribunal Constitucional angolano.

Com o término do contencioso eleitoral, o Tribunal Constitucional validou os resultados das eleições gerais anunciados pela CNE.

A cerimónia de investidura do Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, e da vice-presidente da República, Esperança Maria Eduardo Francisco da Costa, vai ter lugar em Luanda, na Praça da República, a 15 de Setembro.

 

 

Fonte:da Redação e da rfi
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus