02
Sáb., Jul.
0 New Articles

Junta militar da Guiné Conacri anuncia período de transição de 39 meses

Africa
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

O coronel Mamady Doumbouya, que lidera a junta militar que governa actualmente a Guiné Conacri, disse no sábado à noite que o período de transição para a democracia será de 39 meses indo assim contra as indicações da CEDEAO que pediam eleições rapidamente para restabelecer a democracia no país.


A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, CEDEAO, pedia seis meses, e os militares da Guiné Conacri decidiram 39. É este o período de transição apresentado ontem à noite pelo coronel Mamady Doumbouya, que após o golpe de Estado de Setembro que derrubou o Presidente Alpha Condé está à frente da Guiné Conacri.

"De todas as consultas que tivemos a vários níveis, saiu uma proposta consensual que a transição deverá durar 39 meses", disse o militar numa mensagem gravada para a televisão à nação.

Nos últimos meses, a junta tem promovido diversos encontros com forças políticas e a sociedade civil. No entanto, estes encontros são muito contestados pela maior parte dos partidos políticos do país, com a Frente Nacional pela Defesa da Constituição a denunciar que estas consultas "são muito parecidas com a actuação" do Presidente deposto, Alpha Condé, pedindo que a "ordem constitucional normal" volte ao país.

A CEDEAO tinha dado como data limite para a apresentação de uma mapa de transição o dia 25 de Abril, mas a junta militar entendeu que só ontem estavam reunidas as condições para a apresentação de um mapa político claro para o regresso à democracia, multiplicando por seis o número de meses recomendados pelos Estados da CEDEAO.

Antes de anunciar este prazo, o Governo já tinha avisado que não seria controlado nem seguiria as regras de ninguém, apenas do povo guineense. Segundo o porta-voz do Governo, Ousmane Gaoual Diallo, os guineenses mostraram-se durante anos contra a liderança do Presidente Alpha Condé, mas essas constestações nunca foram ouvidas pela comunidade internacional.

A 5 de Setembro, apenas em poucas horas, os militares derrubaram, sem recorrer a violência, Alpha Condé que estava no poder há dez anos. Os militares tomaram as ruas de Conacri com recurso a armas e o chefe das forças especiais, o coronel Mamady Doumbouya, anunciou ter destituído o Presidente.

Em Janeiro, Alpha Condé, saiu do país com o acordo da junta militar para seguir tratamentos médicos nos Emirados Árabes Unidos, tendo regressado à Guiné Conacri há cerca de três semanas.

 

 

 

 

 

 

Fonte:da Redação e da rfi
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus
Stopmznews