03
Dom., Jul.
0 New Articles

Industriais de panificação temem os efeitos da guerra na Ucrânia

Angola
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Em Angola, os industriais de panificação admitem que as implicações da guerra na Ucrânia já se reflectem no mercado de cereais. Investidores fazem cálculos, uma vez que dependem a 100% da importação de trigo, por falta de produção nacional.

A crise na Ucrânia representa uma ameaça para os importadores de cereais angolanos, sendo que parte da farinha de trigo consumida no país vem do estrangeiro, segundo a Associação das Indústrias de Panificação e Pastelarias de Angola.

Gilberto Simão, presidente deste órgão, reconhece que a ofensiva militar russa já começou a limitar a importação de trigo e a pressionar o mercado.

O líder associativo vê na guerra uma oportunidade para as autoridades angolanas apostarem na produção nacional, para reduzirem o peso da importação de cereais.

Gilberto Simão lembra que, nos anos anteriores, 40% da farinha de trigo era produzida em Angola, todavia, o conflito ucraniano é uma oportunidade para o governo reaver a produção, dada a conjuntura mundial.

“Há países como a Rússia e a Ucrânia, que estão em guerra, que produzem cereais, já estão a limitar e alguns a proibir a exportação de cereais. Agora, é preciso vontade política para apostarmos na produção nacional. No tempo colonial, 40% da farinha de trigo era produzido em Angola, então, temos aí uma oportunidade para nós reavermos a nossa produção de trigo”, lembrou o presidente da Associação das Indústrias de Panificação e Pastelarias de Angola, Gilberto Simão.

A AIPPA, Associação das Indústrias Panificação e Pastelarias de Angola, diz que o país tem quatro moageiras, mas, para a organização, nada garante que as moagens têm reservas que possam cobrir o território nacional em tempo de crise.

A seu ver, o executivo deve criar condições para os produtores nacionais, proporcionando crédito, apoio e protecção, para começar a substituir a importação até 40%, pois que já há países na Europa a proibir a exportação de cereais.

“Estou a dizer-lhe que afecta e muito. Então, se nós importamos 100% destes produtos temos aqui uma oportunidade soberana para começar a substituir a importação, pelo menos, em 30 ou 40% deste produto”, concluiu o líder da Associação das Indústrias de Panificação e Pastelarias de Angola.

A Rússia e a Ucrânia, juntas, são responsáveis pelas exportações de 30% da oferta de cereais no mundo.

 

 

 

Fonte:da Redação e da rfi
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus
Stopmznews