29
Qua., Jun.
0 New Articles

Angola: MPLA rejeita diálogo com quem "não respeita as instituições"

Partidos
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

João Pinto, deputado do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder), culpa o maior partido da oposição pelo clima de tensão política em Angola.
Segundo o parlamentar, são os dirigentes da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) – e em particular o líder do partido, Adalberto Costa Júnior – que têm apelado à desordem, nas redes sociais.


"A oposição deve moderar a linguagem, porque, até agora, o Presidente da República tem apenas garantido o regular funcionamento das instituições", considera João Pinto.
O deputado lembra que "o país vive uma dificuldade, e uma oposição com sentido de Estado não pode estar a apelar à desobediência civil, não pode estar a apelar à ingovernabilidade do país. A ingovernabilidade do país prejudica todos".
O clima político em Angola é cada vez mais tenso. Na semana passada, o MPLA acusou a UNITA de se aproveitar da greve dos taxistas para atear fogo ao seu comité de ação no distrito urbano do Benfica, em Luanda. A UNITA rejeita as acusações.
Depois dos distúrbios, o partido do "galo negro" apresentou um "voto de protesto" e pediu a responsabilização de todos aqueles que criam "caos" e incitam ao "ódio e à instabilidade".

"Queremos sentar-nos com o senhor PR"
Numa conferência de imprensa conjunta, os partidos da oposição defenderam ainda o diálogo com o partido no poder e com o Presidente João Lourenço para resolver os problemas no país.
Segundo o deputado da Frente Nacional para Libertação de Angola (FNLA), Lucas Ngonda, "tem de se identificar o que está na base das perturbações, o que está na base da miséria e na base de tudo, para depois podermos solucionar."
Liberty Chiyaka, líder do grupo parlamentar da UNITA, concorda: "Vamos dialogar com o MPLA, sim. Volto a reiterar a disposição e disponibilidade expressas pelo presidente da UNITA na sua última comunicação, para dialogarmos. Queremos sentar-nos com o senhor Presidente da República, queremos dialogar com a liderança do MPLA. É o país que está em causa. Não são os nossos orgulhos partidários".
MPLA pede a UNITA que pare com "discursos musculados"
Mas João Pinto rejeita que o MPLA se sente à mesma mesa com a oposição. Em entrevista à DW, o político insiste que o Presidente João Lourenço não pode dialogar com alguém que "não respeita as instituições".
"Foi a UNITA que começou a dar uma imagem de que tem mais popularidade e mais aceitação. Começou a ter pronunciamentos provocadores e organizou, em pleno estado de emergência em quase toda a parte do mundo, manifestações violentas", acusa o deputado angolano.

Pinto acusa o partido do "galo negro" de criar deliberadamente um falso clima de crispação no país, para camuflar os sucessos de João Lourenço.
"O Presidente está num processo de reforma muito ousado que tem sido bem sucedido, com a moralização da sociedade e a apreensão de bens que são incongruentes face ao rendimento das pessoas que tenham exercido cargos públicos. A oposição quer pôr isso em causa", diz.
Questiona ainda: "Como é que um líder da oposição, eleito no meio do mandato de um Presidente, vem pôr em causa um programa de Governo aprovado?"
Por fim, o deputado apela ao líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior, que ponha fim aos "discursos musculados".

 

Fonte:da Redação e da dw
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus