Justino Pinto de Andrade e Vicente Pinto de Andrade vão aquecer debates

David Mendes, Justino Pinto de Andrade e Vicente Pinto de Andrade vão aquecer debates no parlamento"

Angola
Typography

Analistas políticos entendem que a entrada na Assembleia dos deputados Manuel David Mendes, Justino Pinto de Andrade e de Vicente Pinto de Andrade vai aquecer os debates no parlamento que toma posse no dia 15 de Outubro deste mês.


Os deputados Manuel David Mendes, número 18 da lista da UNITA, Justino Pinto De Andrade, número 11 da lista da CASA-CE, e Vicente Pinto De Andrade, número 43 da lista do MPLA, já estão eleitos como deputados, de acordo com os resultados provisórios da Comissão Nacional Eleitoral.
Na opinião do analista político Sebastião Bengany Timóteo, "os três deputados têm uma bagagem intelectual credível".
"Teremos um parlamento que, embora não esteja equilibrado em termos de representação, é compensado em termos dos debates", concluiu.
Para um outro analista, Sebastião Salazar Cunha Bau, o parlamento angolano saiu a ganhar com estas três vozes reconhecidas pelo seu desembaraço e audácia.
"Teremos um parlamento forte", resumiu.
O professor universitário Amaral Tadeu Kamba saudou a entrada destes três deputados no parlamento: "Estas vozes faziam muita falta na Assembleia Nacional. Sejam bem-vindos", salientou, acrescentando que "a democracia em Angola saiu a ganhar".
Segundo ele, na legislatura passada, a maioria dos deputados silenciosos pertenceram à bancada parlamentar do MPLA.
"No caso da bancada parlamentar do MPLA, os deputados Virgílio Fontes Pereira, João Pinto, Tomas da Silva e Roberto de Almeida foram os mais interventivos", acrescentou.
Confrontados com a falta de participação, alguns deputados disseram ao Novo Jornal Online que o silêncio é uma opção que resulta da gestão dos tempos e da visibilidade dada aos colegas estreantes, decidida pelas direcções das bancadas. Outros da oposição alegaram que ouve uma "asfixia" imposta pela maioria do MPLA.
Porém, sabe-se que apenas o MPLA teve deputados totalmente calados em todos os plenários deste ano da legislatura passada.
Angola realizou eleições gerais a 23 de Agosto deste ano às quais concorreram o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), Partido de Renovação Social (PRS), Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e Aliança Patriótica Nacional (APN).
A Comissão Nacional Eleitoral de Angola constituiu 12 512 assembleias de voto, que incluem 25 873 mesas de voto, algumas já instaladas em escolas e em tendas por todo o País, com o escrutínio centralizado nas capitais de província e em Luanda, estando 9 317 294 eleitores em condições de votar.

 


Fonte:da Redação e Por angonoticias.com
Reditado para:Noticias do Stop 2017