Observadores internacionais consideram credíveis eleições em Angola

Observadores internacionais consideram credíveis eleições em Angola

Angola
Typography

Nas recomendações que deixaram, os observadores dizem que nas próximas eleições o registo dos eleitores deve passar a ser feito por um entidade independente e não com o Governo.


Os observadores internacionais, em conferência de imprensa registada pela repórter da TSF, Cristina Lai Men, confirmaram a tese de que as eleições gerais foram "justas", mas deixaram várias recomendações, entre elas que o registo de eleitores passe a ser feito por uma entidade independente.
A Missão de Observação da União Africana às eleições gerais angolanas recomendou ainda medidas para garantir que todos os partidos políticos e candidatos têm acesso e cobertura equitativos nos meios públicos de comunicação social.
Quanto aos ex-presidentes de Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, convidados pelo presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, a observar as eleições, consideraram as eleições "pacíficas, livres, justas e transparentes".
Numa declaração conjunta, Joaquim Chissano, Pedro Pires, Manuel Pinto da Costa e José Ramos Horta, apelaram ainda aos angolanos para que aguardem "com calma e serenidade" pelos resultados finais do escrutínio.
Conhecidos os resultados, o MPLA mantém-se como o partido mais votado, elegendo pelo menos 150 dos 220 parlamentares. A UNITA mantém-se como segunda força do país e a CASA-CE duplica o número de deputados, estabelecendo-se como a terceira força política em Angola.
A Comissão Eleitoral Nacional angolana confirma também que, na província de Luanda, a UNITA e a CASA-CE juntas ultrapassaram o partido que

 


Fonte:da Redação e Por angonoticias.com
Reditado para:Noticias do Stop 2017