24
Ter., Abr.
103 New Articles

Nuno Amado terá funções Execurivas no Millennium BCP

Nuno Amado terá funções Execurivas no Millennium BCP

Angola
Typography

No dia 15 de Maio, os accionistas do BCP marcam o início de um novo ciclo do banco, com mudanças nos órgãos sociais. Nuno Amado terá funções executivas, António Mexia sai. A lista com os nomes propostos para os órgãos sociais do Millennium BCP

será entregue na próxima semana junto do Banco Central Europeu (BCE), que tem de dar o seu aval. O momento, antes da Páscoa, marca uma fase de renascimento no BCP, agora já sem Carlos Silva, Maria da Conceição Lucas e José Iglésia Soares, ex-quadros do BPA. Carlos Silva anunciou em Fevereiro a sua saída do BCP, onde tem exercido o cargo de vice-presidente, em antecipação à sua não recondução.
Nuno Amado, actual presidente executivo do BCP, vai passar a chairman mas terá funções executivas. Por isso, o número de administradores executivos vai ser par e não ímpar, já que o chairman também será executivo.
Miguel Maya será o novo presidente executivo e vice-presidente. Os dois outros vice-presidentes serão indicados pela Fosun e pela Sonangol, os dois maiores accionistas do banco. Executivos serão também João Nuno Palma e Miguel Bragança. O conselho de administração será composto por 17 elementos, já que o BCE exige um número mais reduzido em relação ao actual, de 19. O BCP passa a ter entre três e cinco mulheres como administradoras, duas das quais em representação da Fosun e da Sonangol. O Jornal Económico, de Lisboa, noticiou que a chinesa, a angolana e a EDP, também accionista do BCP, assumem uma lista conjunta para os órgãos sociais do banco, numa carta enviada aos administradores da instituição.
Outra novidade é a saída de António Mexia do BCP. A EDP, que detém 2,11% do banco – dados de Junho de 2017 -, vai nomear outro seu representante no conselho de administração. António Monteiro, até agora chairman, será presidente da Fundação BCP, em substituição de Fernando Nogueira.
A assembleia geral está agendada para o dia 15 de Maio e será nessa reunião que os accionistas aprovarão os novos órgãos sociais e o modelo de distribuição de poderes pelos diversos cargos. Mas, apesar das mudanças, o presidente da comissão executiva do banco, Nuno Amado, garantiu que “vai haver uma continuidade clara na gestão do BCP e uma continuidade clara na evolução do banco”, garantiu no dia 15 de Março.

 

Fonte:da Redação e Por angonoticias
Reditado para:Noticias do Stop 2018