26
Sáb., maio
24 New Articles

Governo cria nova companhia aérea para voos domésticos

Governo cria nova companhia aérea para voos domésticos

Angola
Typography

Angola Expresso vai ser criada através de parceria público-privada. A nova companhia já tem aviões escolhidos e vai operar apenas em território nacional. Foi criada uma comissão que deve levar o projecto à Presidência da República, em breve.


Após ter divulgado várias vezes a intenção do Governo de criar uma nova companhia para operar os voos domésticos, ficando a TAAG exclusivamete com as rotas internacionais, o VALOR, soube de fonte ligada ao processo, que a futura companhia já tem nome. A designar-se ‘Angola Expresso’, a nova companhia nasce de uma parceria público-privada e a sua efectivação ficará à espera apenas da aprovação do Presidente da República, que deve receber a proposta, brevemente, do ministro dos Tranportes.
Augusto Tomás coordena a comissão criada pelo próprio Minstério dos Transportes para a criação da companhia que, conforme a proposta que sobe a João Lourenço, deverá ser gerida por uma sociedade constituída por empresas de aviação.
Conforme avança a fonte, o Governo predispõe-se a fornecer apoio com pilotos e com técnicos de manutenção, e o ministro Augusto Tomás quer acelerar o processo para o concluir em 2019, dado que a TAAG não vai poder suportar os voos de curta duração com a actual frota de boeings 737.
O Ministério dos Transportes decidiu assim recriar a antiga TAAG-Expresso, introduzindo pequenas mudanças, em especial, na gestão. O projecto anterior previa uma gestão única através da companhia aérea estatal. Mas, por indicação prévia de João Lourenço, a nova empresa terá gestores saídos do sector privado, com a participação da TAAG.
O VALOR sabe que o projecto está bem avançado e até já foram definidos os aparelhos a serem utilizados. A Angola Expresso vai operar com oito a 10 aviões de fabrico canadiano, Dash, com a capacidade para 72 lugares cada voo. Prevê-se que os aparelhos tenham bases estratégicas em algumas províncias.
O que também já está definido são os nomes que integrarão a gestão da empresa. Dadas como figuras com experiência na aviação, os comandantes Jaime Pinto (administrador da Airjet), Célio van der Kellen (antigo instrutor da TAAG e sócio da Heliang Transprtes Aéreos) e António Beto são dados como certos no conselho de administração, bem como outros especialistas que já integram a comissão de trabalho, que tem reunido “com muita regularidade”.
Durante a abertura de conferência internacional da aviação da IATA (sigla em inglês da Associação Intermacional de Transporte Aéreo) em Angola, Augusto da Silva Tomás sublinhou a “necessidade de rever o modelo de operação doméstica”, uma intenção bem recebida pelas companhias, que propuseram a “criação de políticas e incentivos para as operadoras privadas se tornarem sustentáveis”. Uma das medidas preconizadas era a abertura de uma linha de crédito, destinada às empresas de aviação privada para renovarem as respectivas frotas.
No entanto, a fonte do VALOR garante que o discurso do ministro dos Transportes já deixava transparecer a possibilidade da fusão das companhias numa única sociedade para gerir a Angola Expresso.
Não é a primeira vez que há intenções governamentais de se criar uma companhia do género. Em 1991, depois da assinatura dos acordos de paz, a TAAG criou duas subsidiárias: a Angola-Air Charter, dedicada a voos fretados, transporte de carga e voos não calendarizados, e a SAL-Sociedade de Aviação Ligeira, dedicada a serviços de aerotáxi e voos especializados, que acabaram por falir.
Contactado pelo VALOR, até ao fecho da edição, o Ministério dos Transportes não se pronunciou sobre a criação da Angola Expresso.

 

Fonte:da Redação e Por Angonoticias.com
Reditado para:Noticias do Stop 2018