FUNCIONÁRIOS DENUNCIAM ALEGADAS IRREGULARIDADES

FUNCIONÁRIOS DENUNCIAM ALEGADAS IRREGULARIDADES DA DELEGADA DO INE EM INHAMBANE

Inhambane
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Em Inhambane, funcionários do Instituto Nacional de Estatística (INE) denunciam irregularidades, alegadamente cometidas pela delegada provincial da Instituição.

Em carta enviada ao Governador da província de Inhambane, Daniel Tchapo, os trabalhadores acusam a delegada do INE de actos de corrupção e uso de meios de Estado para fins pessoais.

Segundo a carta-denúncia, em poder da Rádio Moçambique, a delegada Fernanda Liptos acusa os seus colegas de feiticeiros, analfabetos, sem carácter e preguiçosos, que passam o tempo a fomentar “fofocas”. 

Na carta de cinco páginas, os funcionários denunciam o uso do gabinete da delegada para cultos religiosos, envolvendo pessoas estranhas ao Instituto Nacional de Estatística. No que diz respeito à corrupção, os trabalhadores do INE dizem que a delegada mandou seleccionar uma empresa da sua confiança para o fornecimento de bens e serviços. Igualmente mandou contratar um motorista e uma secretária particular, seus familiares. Pessoalmente, de acordo com os denunciantes, a delegada é quem fica com as senhas de combustível.

A carta dos trabalhadores, enviada ao Governador, refere que a delegada é arrogante, faz uma gestão danosa e transforma a instituição numa propriedade privada, o que afecta o normal funcionamento da instituição.

Os trabalhadores terminam pedindo a quem de direito, para investigar estas irregularidades no sentido de devolver um bom clima de trabalho na delegação do Instituto Nacional de Estatística, em Inhambane. 

Entretanto, a delegada Fernanda Liptos, disse não constituírem verdade as acusações que pesam sobre a sua pessoa. 

“O que acontece é que as pessoas não têm cultura de trabalho e quando são exigidas, inventam historietas e para mim, isso não me intimida” , referiu a fonte.

“ Um trabalhador ocupado não tem tempo de fazer carta anónima, o trabalhador que está em frente de um trabalho, deve produzir, deve trabalhar. Quando eu cheguei o combustível era controlado pelos meus colegas mas durante algum tempo desapareceram senhas e eu fiquei sem combustível para o trabalho e eu vim para trabalhar. O combustível é para o trabalho”, disse a Delegada.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:Rm.co.mz

Reditado por:Noticias Stop 2016