Trata-se de um porto que está a provocar a poluição do meio ambiente

Tete
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

A empresa Jindal África ainda não encerrou o seu Porto seco, no distrito de Moatize, em Tete, mesmo após decisão do Tribunal, neste sentido. Trata-se de um porto que está a provocar a poluição do meio ambiente, na região.


Desde a aplicação desta sanção a Jindal África continua a depositar o seu carvão no Porto Seco, afectando seriamente a saúde dos munícipes, sobre tudo, os do Bairro da Liberdade.
Hermenegildo Pacate chefe do departamento de Ambiente na Direcção provincial de Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural de Tete, disse que ainda está em dúvida se a Jindal África vai cumprir com a decisão do Tribunal Judicial Provincial de Tete.
“O que sei é que a direcção provincial de Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, teceu algumas considerações em relação àquilo que deviam ser as medidas de prevenção à poluição”, disse Hermenegildo Pacate.
Até este momento, segundo apurou a Rádio Moçambique, o referido Porto Seco continua a funcionar na sua normalidade, contrariando a decisão do Tribunal Judicial Provincial de Tete.
A Rádio Moçambique tentou, sem sucesso, ouvir a reacção da Jindal África, que entretanto uma fonte ligada a direcção disse que a empresa precisava de tempo para se pronunciar.

 

 

 

 


Fonte:da Redação e Por Rm
Reditado para:Noticias do Stop 2017