Trump diz a Poroshenko que vai tentar restaurar paz na Ucrânia

Presidente americano afirmou que quer intermediar negociações de paz entre Moscou e Kiev

US Canada
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O presidente americano, Donald Trump, disse neste sábado ao presidente ucraniano, Petro Poroshenko, que trabalhará com Kiev e Moscou para tentar pôr fim ao banho de sangue na Ucrânia.

A conversa aconteceu após uma semana de confrontos em torno da cidade industrial de Avdiivka, que causou a morte de pelo menos 35 pessoas.

Tratam-se dos confrontos mais graves desde que foi decretado um cessar-fogo “ilimitado” no fim de dezembro, e do balanço mais grave desde o período mais violento da guerra, em 2014 e 2015.

O governo ucraniano e a União Europeia (UE) acusam a Rússia de apoiar militarmente os separatistas, o que Moscou nega.

A esperança de Poroshenko de obter dos Estados Unidos o mesmo apoio e compromisso conquistados durante o mandato de Barack Obama foi frustrada pelas declarações de Trump.

“Trabalharemos com a Ucrânia, Rússia e outras partes envolvidas para ajudá-las a restabelecer a paz na fronteira”, disse Trump, citado pela Casa Branca.

Poroshenko quis destacar a parte positiva da conversa. Seu gabinete afirmou que “ambas as partes expressaram preocupação com a escalada da violência e a deterioração da situação humanitária”.

Além disso, ambos os presidentes foram favoráveis a “fomentar o diálogo com o novo governo americano em todos os níveis”.

A conversa seguiu a que tiveram por telefone Trump e Putin em 28 de janeiro, que ambas as partes classificaram de construtiva.

O conflito entre os separatistas pró-Rússia e o Exército ucraniano já deixou mais de 10 mil mortos desde o seu início, em abril de 2014, consequência da chegada de um governo pró-ocidental a Kiev e da anexação da península da Crimeia pela Rússia.

 

 

 

 

 

 

Fonte:AFP

Reditado para:Noticias do Stop 2017

Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP