21
Qua., Abr.
0 New Articles

Pelo segundo ano, Istambul proíbe marcha LGBT

Autoridades alegam receio após ameaças de grupo ultranacionalista

Europe
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O governo de Istambul proibiu a parada do orgulho gay e transgênero que deveria ocorrer neste domingo, citando receios com a segurança após ameaças de um grupo ultranacionalista.


Será o segundo ano seguido que a marcha LGBT de Istambul, descrita no passado como a maior no mundo muçulmano, é bloqueada por autoridades da cidade.
O grupo ultranacionalista Alperen Hearths ameaçou, na semana passada, impedir a marcha caso as autoridades não agissem. Neste sábado, o escritório do governador afirmou que tomou sua decisão pela preocupação com a segurança dos participantes, turistas e residentes.
Os organizadores da marcha disseram que ainda vão discutir uma resposta.
A Parada do Orgulho Gay em Istambul - cidade vista como refúgio relativamente seguro para a comunidade gay de qualquer outro lugar no Oriente Médio, incluindo refugiados da Síria e Iraque - é geralmente um evento pacífico.
Há dois anos, no entanto, a polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar os participantes após organizadores afirmarem que tiveram suas permissões recusadas por coincidir com o mês sagrado do Ramadã.
A homossexualidade não é considerada crime na Turquia, ao contrário de muitos outros países muçulmanos, mas a homofobia continua sendo generalizada. Críticos dizem que o presidente Tayyip Erdogan e seu partido de raíz islâmica mostraram pouco interesse em expandir os direitos para minorias como gays e mulheres, e que são intolerantes em relação à dissidência.

 

 

 

 

Fonte:da Redação e Por Estadão Conteúdo
Reditado para:Noticias do Stop 2017
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP