Bolsas mundiais caem a pique

Mercados
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Naquela que está já a ser chamada "segunda-feira negra", as bolsas norte-americanas tiveram a maior queda dos últimos dez anos, motivadas pelos receios relacionados com o Coronavírus e pela guerra comercial, em torno do petróleo, aberta entre a Arábia

Saudita e a Rússia. Sem surpresas, foram os setores das energéticas e das petrolíferas que lideraram as quedas, mas o vermelho atingiu todos os setores.

O índice Dow Jones, principal da bolsa nova-iorquina, caiu 7,8%, o Nasdaq e o S&P 500 tiveram quedas também na ordem dos 7%.


Na Europa, o índice pan-europeu EuroStoxx 50 teve a maior queda diária desde a crise de 2008/2009, ao perder 7,4%.

O PSI 20, índice principal da bolsa lisboeta, teve uma descida de 8,6%. A Galp Energia, a cair 16,5%, foi o título com maiores quedas. As ações do BCP perderam mais de 15% e as da Mota Engil cerca de 14%.

A tendência foi seguida por toda a Europa. O FTSE 100, da bolsa de Londres, caiu mais de 10% e o CAC40 de Paris perdeu mais de 8%. O Dax de Frankfurt e o Ibex de Madrid fecharam também com descidas muito próximas dos 8%. As cotações do barril de petróleo perderam cerca de um terço do valor


Fonte:da Redação e da EURONEWS
Reeditado para:Noticias do Stop 2020
Receba diariamente o STOP em seu WhatsApp
Envie um WhatsApp para +258 827606348 para receber notícias diariamente em seu celular
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão