Forças sírias tomam controle de fortaleza em Raqqa

Com apoio dos EUA, as Forças Democráticas da Síria tiraram o controle da cidade das mãos do Estado Islâmico

Asia Ocidental
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Forças sírias apoiadas pelos Estados Unidos, que buscam expulsar o Estado Islâmico de seu reduto em Raqqa, capturaram uma fortaleza em ruínas nos arredores da cidade nesta quarta-feira e uma autoridade da coalizão dos Estados Unidos disse que o

ataque deve ser acelerado.
As Forças Democráticas da Síria (FDS), alinhadas com os EUA, que incluem milícias árabes e curdas, declararam na terça-feira o início de sua ofensiva para tomar o controle da cidade do norte da Síria do Estado Islâmico, que a invadiu em 2014.
Com dezenas de milhares de pessoas desabrigadas pelo combate, uma autoridade da ONU falou em uma situação humanitária catastrófica devido a escassez de comida e combustível. A milícia YPG, que faz parte das FDS, pediu por ajuda humanitária internacional.
“Nós estamos recebendo relatos de ataques aéreos em diversos locais da cidade de Raqqa”, disse a autoridade de ajuda da ONU Linda Tom à Reuters por telefone, de Damasco.
Até esta quarta-feira, as FDS se moveram até a fronteira oeste de Raqqa e tentaram avançar a uma vizinhança leste.
Bombardeios e ataques aéreos por parte da coalizão liderada pelos Estados Unidos atingiram alvos ao redor da cidade, de acordo com um grupo de monitoramento da guerra e com a YPG.
No oeste de Raqqa, as FDS esvaziaram o vilarejo de Hawi Hawa e tomaram controle das ruínas de mais de mil anos da fortaleza Harqalah, disse o porta-voz da milícia YPG, Nouri Mahmoud, à Reuters por telefone.
A ação em Raqqa se sobrepõe às últimas etapas do ataque apoiado pelos EUA para recapturar a capital do Estado Islâmico no Iraque, Mosul.

 


Fonte:da Redação e Por Reuters
Reditado para:Noticias do Stop 2017
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP