Negociação sobre Síria na capital do Cazaquistão é adiada

Rebeldes sírios ameaçaram nesta semana boicotar as negociações, acusando a Rússia de fracassar em acordo de cessar-fogo com o governo da Síria

Asia Ocidental
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

As negociações sobre a crise na Síria envolvendo Rússia, Irã e Turquia, que começariam em Astana, capital do Cazaquistão, nesta quarta-feira, foram adiadas em um dia, informou o Ministério das Relações Exteriores cazaque sem dar um motivo para o atraso.

Rebeldes sírios ameaçaram nesta semana boicotar as negociações, acusando a Rússia de fracassar em fazer com que o governo da Síria cumprisse completamente com um cessar-fogo e adotasse medidas para construir a confiança.

No entanto, uma autoridade rebelde que participou da rodada anterior de conversas em Astana em janeiro disse nesta quarta que uma pequena delegação, incluindo representantes legais e militares, vai participar para discutir o plano de cessar-fogo estabelecido no mês passado.

Uma autoridade não identificada do Ministério da Defesa da Rússia disse à agência de notícias Interfax que as delegações terão reuniões bilaterais nesta quarta antes de um encontro maior de todas as partes na quinta, que deve produzir um documento conjunto.

O Cazaquistão, um aliado político próximo a Moscou, disse na semana passada que as negociações de dois dias, para as quais o enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Síria, Staffan de Mistura, também foi convidado, estarão focadas em consolidar o cessar-fogo.

As delegações do governo da Síria e dos rebeldes sírios que participaram da rodada anterior de negociações em Astana se recusaram a realizar encontros diretos entre si e a assinar qualquer documento naquela ocasião.

Uma nova rodada de negociações de paz apoiadas pela ONU deve começar em Genebra na semana que vem.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:Reuters

Reditado para:Noticias do Stop 2017

Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP