14
Sáb., Dez.
0 New Articles

Irã importa 149 toneladas de concentrado de urânio

O concentrado de urânio é proveniente da Rússia e faz parte de um acordo nuclear entre as potências

Asia Ocidental
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O Irã receberá nesta terça-feira da Rússia a última remessa de uma importação de 149 toneladas de concentrado de urânio prevista no âmbito do acordo nuclear com as grandes potências, declararam nesta segunda-feira responsáveis da Organização Iraniana

de Energia Atômica (OIEA).

“O primeiro carregamento chegou no dia 26 de janeiro de avião e o último chegará amanhã, terça-feira (…) No total são 149 toneladas de Yellow Cake (concentrado de urânio), que se somam às reservas do país”, declarou Ali Akbar Salehi, chefe da OIEA, à agência de notícia Fars.

O responsável informou que, desde a entrada em vigor do acordo, em janeiro de 2016, o Irã havia “importado 210 toneladas de concentrado de urânio e enviado em contrapartida ao exterior urânio enriquecido a 3,5%”, como prevê o acordo.

O concentrado de urânio é proveniente da Rússia, indicou Behlouz Kamalvandi, porta-voz da OIEA.

O Irã concluiu em julho de 2015 um pacto relacionado ao seu programa nuclear com os países do grupo 5+1 (Estados Unidos, França, Reino Unido, China, Rússia e Alemanha), colocando fim a vários anos de crise.

Com este acordo, Teerã aceitava limitar seu programa nuclear, incluindo seus depósitos de urânio pouco enriquecido a 300 quilos, durante um período de dez anos, em contrapartida ao fim de uma parte das sanções internacionais.

Mas o novo presidente americano, Donald Trump, se mostrou contrário ao acordo e seu vice-presidente, Mike Pence, disse que a nova administração está avaliando sua pertinência para tomar uma decisão.

Enquanto isso, os responsáveis iranianos afirmaram em várias ocasiões que pretendem desenvolver sua indústria nuclear, apesar das ameaças de Washington.

 

 

 

 

 

Fonte:EFE

Reditado para:Noticias do Stop 2017

Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP