Bombardeios da coalizão em Mossul matam 27 membros do EI

Bombardeio: Bayati detalhou que a aviação atacou uma sede dos jihadistas na região de Al Gabat

Asia Ocidental
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Pelo menos 27 supostos membros do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) morreram nesta sexta-feira em uma série de bombardeios aéreos realizados pela coalizão internacional antijihadista na cidade de Mossul, principal reduto dos radicais no norte do

Iraque.

O presidente da Comissão de Segurança da província de Ninawa - da qual Mossul é capital -, Mohammed Ibrahim al Bayati, informou à Agência Efe que a aviação internacional bombardeou hoje três posições do EI em zonas periféricas da cidade.

Bayati detalhou que a aviação atacou uma sede dos jihadistas na região de Al Gabat, onde os combatentes estavam reunidos, o que causou a morte de nove deles.

Além disso, uma casa foi bombardeada no bairro de Al Muhandesin, que o EI usava como sede, junto com um laboratório de explosivos na região de Bab Sinjar, o que causou a morte de seis jihadistas e ferimentos em dezenas.

Os bombardeios da coalizão internacional causaram a morte e ferimentos em sete cidadãos, entre eles uma menina que morreu sob os escombros, além de grandes danos materiais em suas casas nas regiões de Al Saadah e Baauiza.

Uma sede do EI nessa área do norte de Mossul foi também alvo dos bombardeios e 12 supostos extremistas morreram.

Mossul está nas mãos do EI desde junho de 2014, quando a organização terrorista declarou um califado nos territórios iraquianos e sírios que conquistou. 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:EFE

Reditado para:Noticias Stop 2016

Fotografias:Getty Images / Reuters

Tópicos:EI, Estado Islâmico, EIIL, Iraque