Queda por ter sido falha técnica ou humana

Terrorismo, no entanto, ainda não foi totalmente descartado

Asia Setentrional e Central
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O Ministério dos Transportes da Rússia afirmou nesta segunda-feira, dia 26, que a queda do avião militar russo deste domingo (25) no Mar Negro aconteceu provavelmente devido a um erro do piloto ou a uma falha técnica.

A aeronave, de modelo Tupolev-155, levava 92 pessoas, entre tripulação e passageiros, havia partido de Sochi, na Rússia, e ia para a Latakia, na Síria, onde os 64 membros do Coral do Exército Russo que estavam à bordo fariam uma apresentação para as tropas que estão na área na noite de Ano Novo. Além deles, estavam no avião militares e nove jornalistas.

No domingo, as autoridades russas haviam primeiro descartado a possibilidade da queda se tratar de um atentado terrorista, opção que depois foi novamente analisada. O Ministério russo ainda afirmou que o piloto do avião, Roman Volkov, era muito experiente e tinha mais de 3 mil horas de voo e que a aeronave tinha 33 anos.

De acordo com o vice-presidente da Comissão Parlamentar sobre a política econômica, Serghiei Kalachnikov, a idade avançada, no entanto, não é prova de que a aeronave não funcionava bem.

"Trinta e três anos é um bom tempo, mas não é crítico", declarou a autoridade russa à imprensa.

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, decretou para esta segunda-feira um dia de luto nacional. "Haverá uma investigação aprofundada na região da catástrofe e faremos tudo para fornecer o nosso apoio às famílias das vítimas", explicou Putin.

 

 

 

 

 

 

Fonte:BAND

Reditado para:Noticias do Stop 2016

Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP