11 corpos são resgatados após queda de avião

Asia Setentrional e Central
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Equipes de emergência resgataram neste domingo 11 corpos de vítimas e fragmentos do avião russo que caiu pela manhã no Mar Morto, pouco depois de decolar. Os trabalhos seguiam pela madrugada, na tentativa de encontrar mais passageiros e a

tripulação. O ministro dos Transportes russo, Maxim Sokolov, disse que mais fragmentos e outros corpos já foram encontrados. 

No total, 84 passageiros e oito tripulantes estavam a bordo do avião militar russo que caiu dois minutos após decolar da cidade de Sochi. Dentre os passageiros estavam dezenas de cantores do coro militar da Rússia. O avião levava o coro do Ministério da Defesa, o famoso Conjunto Alexandrov, para um concerto de Ano Novo na base aérea de Hemeimeem, na província de Latakia, região costeira com a Síria. Também estavam a bordo nove jornalistas russos e um médico russo famoso por seu trabalho em zonas de guerra.

Mais de 3 mil pessoas trabalham no resgate - incluindo mais de 100 mergulhadores. Helicópteros, drones e submersíveis também estavam sendo usados para ajudar a detectar corpos e detritos. 

Investigadores disseram que estão analisando todas as causas possíveis para o acidente, incluindo um ataque terrorista. Peritos salientaram fatores que sugerem um ataque terrorista, como a falta de qualquer relato da tripulação sobre mau funcionamento da aeronave e o fato de que os detritos do avião estão espalhados por uma ampla área. 

"Faremos uma investigação completa das razões e faremos de tudo para apoiar as famílias das vítimas", disse o presidente russo, Vladimir Putin, em pronunciamento na televisão, quando também declarou esta segunda-feira como dia de luto nacional. 

 

 

 

 

 

 

Fonte:BAND

Reditado para:Noticias do Stop 2016

Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP