Massacre de 30 civis na República Democrática do Congo

Kinshasa, República Democrática do Congo

Setentrional
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Mais de 30 civis morreram no sábado em Beni, cidade do leste da República Democrática do Congo, em um massacre atribuído a rebeldes ugandeses, indicou neste domingo uma fonte militar.

Supostos rebeldes das Forças Democráticas Aliadas (ADF) de Uganda mataram "trinta pessoas", disse à AFP o tenente Mak Azukay, porta-voz do exército. "Acabamos de encontrar os corpos no bairro Rwangoma de Beni", acrescentou o porta-voz contactado por telefone a partir de Goma, capital da província de Kivu do Norte.

"Já há 35 corpos no necrotério do hospital de Beni", disse Gilbert Kambale, presidente da sociedade civil da cidade. Rwangoma é um bairro periférico de Beni, cidade fronteiriça com o parque de Virunga (lugar onde se refugiam grupos armados), no norte de Kivu do Norte.

O ataque foi registrado 72 horas após uma viagem do presidente Joseph Kabila pela região, onde prometeu fazer todo o possível para impor a paz e a segurança. "O presidente da República passou por aqui e agora nos matam!", disse Gilbert Kambale.

O ataque foi registrado entre as 19h00 e as 23h00 (14h00 e 18h00 de Brasília), disse a fonte.

As forças da ADF se esquivaram das posições do exército para "massacrar a população em represália" pelas operações das forças de segurança na zona.

A cidade e o território de Beni, no norte da província de Kivu do Norte, registraram desde outubro de 2014 uma série de massacres que deixaram até agora 600 civis mortos.

 

 

 

 

 

Fonte:AFP

Reditado para:Noticias Stop 2016

Fotografias:Getty Images / Reuters

Tópicos:Violência urbana