Mais de 50 ativistas são presos no Egito antes de protesto

Setentrional
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Nas últimas 24 horas, as forças de segurança egípcias prenderam dezenas de pessoas, entre elas advogados e militantes dos direitos humanos, antes de uma manifestação contra o governo prevista para acontecer em 25 de abril - informou uma associação de

advogados.

Nesta sexta à noite, a organização postou em sua página oficial no Facebook uma lista de 59 pessoas detidas desde quinta-feira.

"A campanha de detenções continua", denunciou.

Testemunhas e a organização declararam que vários militantes foram presos na quinta à noite, quando estavam em cafés no centro do Cairo.

Grupos de oposição haviam convocado uma manifestação para 25 de abril contra o governo do presidente Abdel Fattah al-Sissi. Entre eles, está o movimento de 6 de Abril, na linha de frente da contestação popular que tirou o presidente Hosni Mubarak do poder no início de 2011.

Um dos principais motivos dos protestos é a devolução para a Arábia Saudita das duas ilhotas desabitadas de Tiran e Sanafir, ao longo da Península do Sinai.

Organizada em um primeiro momento como um protesto contra a entrega das duas ilhas do mar Vermelho, o ato acabou se transformando na contestação ao governo.

Entre as pessoas detidas nas últimas 24 horas, está o célebre militante dos direitos dos trabalhadores, o advogado Haitham Mohamedin, disse o advogado Rajia Amrane, que integra a associação.

Em 15 de abril, mais de mil pessoas foram às ruas no centro do Cairo, pedindo a "queda do governo" do presidente Al-Sissi. Essa foi a maior manifestação contra o governo em dois anos.

A legislação egípcia proíbe qualquer reunião pública que não seja autorizada antecipadamente pelo Ministério do Interior.

 

 

 

 

 

Fornecido por:AFP 2016 ( Stop.co.mz )