PAICV: “O MpD não está a cumprir as promessas feitas”

PAICV: “O MpD não está a cumprir as promessas feitas”

Cabo Verde
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Para o PAICV, os compromissos do MpD aquando da campanha eleitoral de despartidarizar a função pública, “foram compromissos feitos para não cumprir”. Esta afirmação é do dirigente do PAICV João Batista Pereira e tem como base a revogação da lei

de contratação da função pública e agora, as portas estão abertas para a partidarização da máquina do Estado.

“Durante a campanha, o MpD assumiu o compromisso que todos os novos directores, administradores e gestores públicos passariam pelo crivo do concurso antes de serem nomeados, salvaguardando assim o princípio da meritocracia”.

Para Batista Pereira, com este discurso, o partido conseguiu a simpatia dos jovens e de muitos cabo-verdianos que lhe valeu milhares de votos nas últimas legislativas. E hoje, “sintomaticamente, o MpD ignora ostensivamente os compromissos assumidos com os cabo-verdianos e revoga o princípio do concurso para a nomeação dos dirigentes da função pública”. Acrescenta ainda que assim, “abrem-se as portas à partidarização através da livre escolha dos seus militantes e amigos para os altos cargos da administração pública”.

Como exemplos, fala das delegações do Ministério da Educação, dos Delegados da MDR, da TACV, do INPS, da ASA, da Direcção Nacional do Ambiente onde o Governo tem usado este método.

 

 

 

 

 

 

Fonte:noticiasdonorte

Reditado por:Noticias Stop 2016