Órgãos de Comunicação Social privados em via de extinção

Órgãos de Comunicação Social privados em via de extinção - admite responsável

Angola
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Os órgãos de Comunicação Social privados podem deixar de existir, nos próximos tempos, por causa da crise económica e financeira, sobretudo os jornais, admitiu, sexta-feira, em Luanda, o director-geral do jornal Agora, Ramiro Aleixo. 

 

Segundo o responsável, que falava durante um encontro organizado pelo Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), sobre a situação dos órgãos privados quanto a crise económica e financeira, os jornais vão deixar de existir no país, por causa de diversas dificuldades que enfrentam no seu dia-a-dia. 

Lamentou que produzir um jornal no país envolve custos altos, o preço do jornal é de 358 kwanzas, a capa é comercializada a 500 kwanzas, mas na rua é comercializado entre 700 a mil kwanzas e quem mais ganha é o ardina e não os jornais, 

Frisou que os jornais gastam mais em relação o que ganham, justificando que o jornal por si só não obtém valores para o seu custo, dependem sim de publicidade. 

Por sua vez, a directora da Rádio Luanda Antena Comercial (LAC), Maria Luísa Fançony, realçou que a sua emissora resiste da crise económica e financeira graças as igrejas que têm programas e publicidades, para além de empresas bancárias e de cerveja. 

Acrescentou que a Rádio LAC tem pago os salários aos seus trabalhadores a prestações. 

Maria Luísa Fançony pediu ajuda ao Ministério da Comunicação Social a apoiar os órgãos nessa situação. 

Por sua vez, o jornalista Reginaldo Silva aconselhou os órgãos de Comunicação Social a apostarem nas novas tecnologias de informação, isto é, acompanhando o desenvolvimento das sociedades. 

No seu entender, para salvar os jornais deve-se criar fábricas de papéis ou reciclagem, tendo em conta que as gráficas que imprimirem os jornais alegam falta de papéis para impressão dos jornais.

O Secretário-Geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândido, lamentou a situação que os órgãos de Comunicação Social públicos e privados estão a enfrentar, destacando a falência dos jornais Angolense, semanário Angolense, os atrasos salariais como é o caso da Agência Angola Press (Angop) que as vezes passa dois meses sem salários e alguns funcionários são penalizados pelos bancos por terem crédito. 

Pediu a Igreja Católica a resolver já a situação da Rádio Ecclésia e ao Executivo a solucionar a situação grave que a imprensa angolana está a viver.

 

 

Fornecido por:Angonoticias 2016 ( Stop.co.mz )

Stopmznews